Confiabilidade humana - PCS5006

9.10.06

Capítulo 7 - Memory and Training (Resumo- rev02)


Livro: Engineering Psychology and Human Performance. (3a. ed)
Autor: Wickens, C. D.; Hollands, J. G.
Editora: Prentice-Hall, 1999

Neste capítulo os autores relatam sobre os fenômenos da divisão funcional da memória humana e a capacidade que temos para captar, armazenar e resgatar informações utilizando os códigos sensoriais, a memória de trabalho e a memória de longo prazo. Outro ponto amplamente discutido é a influência do treinamento, aprendizado e construção do conhecimento, na capacidade de memorização e resgate das informações em situações diversas.

TIPOS DE MEMÓRIA

Working Memory : A memória de trabalho, também chamada de memória curta, é a interface entre a percepção da realidade pelos sentidos e a formação ou evocação de memórias armazenadas. Para exemplificar a memória de trabalho poderíamos dizer que é a memória de um número telefônico que alguém nos diz e esquecemos logo depois de discar. A memória de trabalho não forma arquivos duradouros, nem deixa traços bioquímicos. É funcionalmente distinta dos outros tipos de memória, as quais formam arquivos por meio de uma seqüência de eventos bioquímicos. Segundo Brown (1959) e Peterson (1959) o tempo de armazenamento na memória de trabalho é de aproximadamente 20 segundos.

Long-term memory : A memória de longo prazo ou memória permanente recebe essa denominação pela capacidade de armazenar informações permanentes e para sempre. Também é conhecida como memória de longo prazo porque é uma memória de grande capacidade, aliás, capacidade até dita ilimitada segundo alguns especialistas. O que efetivamente ainda não se sabe é como são colocadas tamanhas quantidade de informações em tempo relativamente curto. um exemplo que mostra a validade desta afirmação é o caso de pessoas que se dedicam a estudar certos temas com profundidade de detalhes, sendo capazes até de dizer a página do livro que contém certa informação.

OPERAÇÕES BÁSICAS DA MEMÓRIA

Codificação : A codificação refere-se ao modo como o ser humano transforma input físico sensorial em uma espécie de representação que pode ser colocada na memória. O modo como as informações são codificadas terá um forte impacto sobre uma posterior recuperação destas informações. Baddeley (1995), apresenta três componente básicos da codificação, sendo : o verbal, subdivido em fonológico, responsável pela captação de sons e palavras e o articulátorio responsável pela captação dos gestos; o visuo-espacial responsável pela captação das imagens e o executivo central (coordenador de atividades) que é utilizado quando se lida com tarefas de maior demanda cognitiva, preenchendo diversas funções, entre elas, o controle do fluxo de informações , o processamento e armazenamento de informações e a alimentação da entrada de informações para a alça fonológica e para a alça visuo-espacial. Baddeley alerta para os conflitos existentes entre a memória de trabalho e a central executiva, principalmente na “sobreposição” de informações em situações críticas.

Armazenamento : O armazenamento refere-se à maneira como o ser humano mantém a informação codificada na memória de longo prazo.

Recuperação : A recuperação refere-se a lembrança ou acesso as informações armazenadas na memória. Um problema que surge quando se estuda a memória é o de entender porque, às vezes, algumas pessoas têm dificuldade em recuperar a informação.

Os psicólogos cognitivos encontram dificuldades para distinguir entre disponibilidade (informação armazenada permanentemente na memória de longo termo) e acessibilidade (grau que se tem acesso à informação disponível). O desempenho da memória depende da acessibilidade da informação a ser lembrada, considerando que esta esteja disponível.

A figura 01 representa as operações básicas da memória, É importante observar que o fluxo aprendizado e treinamento são fundamentais no processo de memorização. O aprendizado e treinamento representam a transferência das informações para a memória de trabalho e o armazenamento destas diretamente na memória de longo prazo (termo).

Figura 01 : Representação funcional da memória - adaptado por Oliveira, A. 2006

INTERFERÊNCIA DE CÓDIGO

Na memória de trabalho a captação simultânea dos sinais fonéticos-verbais e visuo-espaciais agem de forma cooperativa. No entanto, as tarefas não recebem a mesma atenção. O esquecimento ocorre porque a captação de uma nova informação interfere na antiga e finalmente a desloca.


INTERFERÊNCIA NA CENTRAL EXECUTIVA


Baddeley (1996) e demais pesquisadores, investigam o funcionamento do controle central da memória de trabalho, ou central executiva, subdividindo-os em quatro partes, sendo : 1ª) Coordenar a performance de múltiplas tarefas, 2ª) Manipular informações da memória de longo termo e 3ª) Recuperar informações da memória de longo temo e finalmente reagir de forma seletiva a estímulos externos.

HABILIDADE DA MEMÓRIA

Quando recebemos um grande volume de informações, como quando lemos um livro por exemplo, temos a capacidade de compreender temporariamente um parágrafo e ao término do capítulo compreender todo seu contexto. Considerando que a memória de trabalho retém informações por pouco tempo, Ericsson e Kintsch (1995) propõem que existem mecanismos na memória de trabalho capazes de resgatar informações na memória de longo prazo e “reorganizá-la” na memória de trabalho.


Jogadores profissionais de Xadrez tem mais habilidade do que os novatos para reconstruirem posições, após uma rápida visão do jogo. A experiência e a prática em determinadas tarefas influenciam diretamente nas atividades da memória.

CIÊNCIA COGNITIVA


A Ciência Cognitiva nos explica o princípio básico da inteligência
: a percepção. Nossa capacidade perceptiva evolui de acordo com o que recebemos do mundo e como nosso cérebro se "otimiza" para reconhecer padrões importantes e recorrentes.

Figura 02 – Arquitetura cognitiva genérica (adaptado de WICKENS, 1992, p.17)

* Figura extra , não pertence ao capítulo 7.

APRENDIZADO E TREINAMENTO


Diversos pesquisadores estão empenhados em desenvolver técnicas voltadas para o aperfeiçoamento da memorização, bem como, para o resgate das informações armazenadas na memória de longo prazo. Com a mesma intensidade, pesquisadores estudam os modelos mentais para compreender a relação entre o treinamento, a prática de trabalho, o conhecimento adquirido ao longo da vida e a concepção da memória.

O processo de cognição envolve uma variedade de funções que objetivam transformar as informações vinda da memória em aprendizado, tomada de decisão, planejamento, etc.


CONSCIÊNCIA

Mudanças em determinados ambientes podem afetar pessoas que já construíram determinados valores deste ambiente. Por exemplo, se ocorrer um mudança brusca em determinado circuito de corrida, é provável que pilotos com mais experiência sejam afetados.

RACIOCÍNIO INTUITIVO

É a capacidade de recuperar e processar princípios qualitativos com menor sensibilidade à interferência pela resposta esquecimento & aprendizagem. Com o desenvolvimento, o indivíduo vai tender cada vez mais ao processamento intuitivo.


PERCEPÇÃO/COGNIÇÃO - O PODER DA EXPERIÊNCIA


Considerando diferentes sujeitos envolvidos com uma mesma planta, a interpretação de um display de controle varia em função da experiência do sujeito.


CONHECIMENTO E A MEMÓRIA DE LONGO TERMO.


A informação é codificada na memória de longo prazo através da educação e treinamento e pode ser representada por duas variadas formas, sendo : o conhecimento declarativo e o conhecimento procedural. O conhecimento declarativo se refere à informação factual, imutável, cuja organização tem a forma de fatos conectados e passíveis de descrição. Já o conhecimento procedural, em contraste, refere-se ao conhecimento básico, fundamental de ações de grande habilidade, e sua natureza tende a ser dinâmica e modificável. Este conhecimento não se mostra claramente para nós, sendo mais fácil mostra-lo do que falar sobre ele. Ele resiste à descrição verbal, não pode ser tão controlado como o declarativo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As ações e reações humanas são dependentes da construção do conhecimento em nossa memória. O capítulo discutiu aspectos relevantes da composição da memória de trabalho e memória de longo prazo. As diferentes propriedades de cada uma e ainda suas características na codificação, armazenamento e recuperação da informação. As técnicas de treinamento para condicionar a memória também foram discutidas.